Comunicação

Notícias

VOLTAR
12/06/2019
Ópera O Quatrilho reestreia em Passo Fundo com atividades especiais

Por: Jéssica Barcellos Salgado-Martins

() comentários

A ópera em dois atos de Vagner Cunha com libreto de José Clemente Pozenato terá nova apresentação no Teatro Notre Dame neste sábado, dia 15 de junho, e ainda realizará palestras e painéis gratuitos no Auditório IMED na sexta-feira, dia 14

 

 

Após o sucesso da primeira turnê, que reuniu quase seis mil pessoas em diversos palcos do Rio Grande do Sul no último ano, a ópera O Quatrilho volta a circular pelo estado. A obra retorna a Passo Fundo nesta semana com uma nova apresentação, além de uma programação especial com atividades gratuitas.

No sábado, dia 15 de junho, às 20h, o público poderá conferir no Teatro Notre Dame a nova apresentação do espetáculo. A ópera em dois atos de Vagner Cunha tem libreto de José Clemente Pozenato, autor do romance homônimo que conta a história de dois casais de descendentes italianos que constroem suas vidas no interior do Rio Grande do Sul no inicio do século XX.

Os ingressos para a ópera estão à venda no site www.blueticket.com.br e na Loja Multisom do Bella Cittá Shopping, com preços entre R$ 35 e R$ 90.

Em sua segunda turnê pelo Estado, a ópera traz novidades. O espetáculo ganhou mais 15 minutos com a inclusão de três novas músicas: uma ária de Flávio Leite, uma ária de Ricardo Barpp, além de um coro que será encenado por Barpp junto com Luciane Bottona e Pedro Spohr. Somadas às outras 29 canções que já faziam parte da apresentação, as músicas trazem uma nova costura para a obra. "Ao ver o resultado final da ópera, pronta, eu senti que precisávamos humanizar um pouco mais os personagens. O Pozenato já havia feito o trabalho de síntese do livro de forma brilhante, mas sentimos que algumas costuras precisavam ser feitas para conectar os casais de forma mais humanizada, então nos reunimos para adicionar algumas árias", explica o compositor Vagner Cunha.

Antes da apresentação, o público também poderá conferir na sexta-feira, dia 14 de junho, a partir das 19h, um encontro gratuito sobre as lideranças femininas no Auditório IMED. A Profa. Me. Fernanda Martins ministrará a palestra Protagonismo Feminino: A Força da Autenticidade. Partindo de O Quatrilho e de suas personagens, a mediadora envolverá as painelistas em uma fala inspiradora e instigante, trazendo uma discussão relevante às lideranças femininas: o poder das escolhas. O painel, que ocorrerá após a palestra, terá participação de Renata Grazziotin, presidente do Grupo Grazziotin; Celi Webber, engenheira agrônoma da Sementes Webber; Maria Luisa Camozzato, idealizadora do projeto Brasil Sem Frestas; Clarissa Finger, diretora de qualidade do Grupo Sani; e Marilú Benincá de David, vice-presidente da IMED; além da participação especial de Carla Maffioletti, soprano da ópera O Quatrilho. Para participar das atividades, é necessário se inscrever previamente em https://eventos.imed.edu.br/eventos/passo-fundo/protagonismo-feminismo:-a-forca-da-autenticidade.

 

SOBRE A ÓPERA O QUATRILHO

Lançado em 1985, o livro O Quatrilho, de José Clemente Pozenato, tornou-se filme em 1995 sob a direção de Fábio Barreto, e concorreu no ano seguinte ao Oscar de melhor filme estrangeiro. A exposição no cinema fez ainda mais conhecida a história dos dois casais de descendentes italianos que constroem suas vidas no interior do Rio Grande do Sul no inicio do século XX. A obra também já foi adaptada para os teatros e, em 2018, ganhou sua versão em ópera, com música de Vagner Cunha e libreto de José Clemente Pozenato.

Produzida inteiramente no Rio Grande do Sul, a ópera O Quatrilho tem elementos cênicos que remetem ao estilo de vida dos imigrantes italianos que viveram na área rural do Estado no início do século XX. Os figurinos, assinados pela porto-alegrense Malu Rocha, são compostos por cerca de 30 peças produzidas em cores frias e terrosas, retratando as personalidades dos protagonistas da trama.

O cenário, desenhado pelo cenógrafo Rodrigo Lopes, mostra o interior e ao mesmo tempo o exterior de uma casa colonial italiana. O uso de lambrequins, adorno arquitetônico de madeira recortada muito utilizado nas residências dos imigrantes italianos, e de pintura de madeira junto com um céu formam o espaço cênico.

O enredo de O Quatrilho baseia-se em fatos reais, retratando o cotidiano e a realidade dos imigrantes no Sul do Brasil no início no século XX, deixando claro o poder da mulher nas decisões de família e também de negócios. A história acontece em 1910, numa comunidade rural de imigrantes italianos, no Sul do Brasil, quando dois casais se unem para sobreviver e decidem morar na mesma casa. Com o tempo, a esposa de um passa a se interessar pelo marido da outra, sendo correspondida. Os dois amantes decidem fugir e recomeçar outra vida, deixando para traz seus parceiros, que viverão uma experiência dramática e constrangedora, mas nem por isso desprovida de amor. O título faz analogia ao jogo do quatrilho: jogo de cartas onde os parceiros se trocam ao longo da partida. Tudo pode acontecer nesse jogo.

O Quatrilho, além fazer um resgate histórico da liderança brasileira formada pela colonização italiana, coloca em voga o papel de protagonismo dos empreendedores e comerciantes que, frente às adversidades, escolhem seu caminho, transpondo os obstáculos para seguir sempre em frente. Através de personagens icônicos que resolvem suas vidas conforme a realidade se apresenta, representaremos os colonos e os negócios familiares, espinha dorsal do Rio Grande do Sul, cujos valores foram calcados na força do trabalho e na intensidade das relações.

Apesar do que possa parecer ao olhar desatento, a célebre história da troca de casais não é uma história sobre traição. É uma história de fidelidade a si próprio, uma relação de amor com os valores que regem a vida de cada um. A nova turnê é uma realização do Ministério da Cidadania, tem direção artística da Bell’Anima Produções Artísticas e produção executiva da Branco Produções.

 

SOBRE A PALESTRA E O PAINEL SOBRE LIDERANÇAS FEMININAS

A experie^ncia que a O´pera O Quatrilho oferece ao pu´blico e´ uma preciosa oportunidade para fruir o belo na arte e uma ocasia~o para refletir sobre o protagonismo da mulher, na diversidade de modos como pode ser manifestado. Na arte e na vida, a lideranc¸a existencial feminina e´ definida por como as mulheres se veem, compreendem-se e colocam-se em ac¸a~o, ou seja, por como elaboram uma este´tica e tomam para si o lugar da expressa~o. O protagonismo feminino, assim, e´ abordado como experie^ncia este´tica e poe´tica, na medida em que a mulher pode atuar a possibilidade de fazer criac¸a~o e inventar uma tipologia da pro´pria personalidade, observando os vi´nculos sociais e a vontade de criar a si mesma no mundo.

 

“Eu escolhi o meu caminho”, diz Teresa no ini´cio do segundo ato. A Oópera O Quatrilho, ale´m fazer um resgate histo´rico da lideranc¸a brasileira formada pela colonizac¸a~o europe´ia-italiana, coloca em voga o papel de protagonismo da mulher. Uma figura que escolhe o pro´prio caminho e toma as re´deas de sua vida, provendo soluc¸o~es e transformando seu ambiente. A grande li´der e´ aquela que se empodera de si, e´ reconhecida por suas escolhas e conquistas e tem o poder de fazer florescer o melhor em todos a' sua volta.

 

A mulher de ontem e de hoje deve relativizar as disposic¸o~es do passado, abandonando sua posic¸a~o de vi´tima. A grande mulher assume seu protagonismo social e soluciona as crises - suas e alheias - atrave´s do conhecimento profundo de si pro´pria. Assim sa~o as personagens de O Quatrilho. Assim e´ nossa protagonista, que bate no peito para dizer “A casa esta´ no cha~o, e´ preciso reergue^-la de novo. Eu sei po^r tudo no seu devido lugar. Todo o mundo vai ver quem e´ esta Pierina!”

 

O momento e´ propicio e esta´ na hora de usarmos a intelige^ncia e a beleza para colocarmos ordem na casa. Os melhores frutos sa~o colhidos quando somos fie´is a no´s mesmos. O Quatrilho na~o e´ uma histo´ria sobre traic¸a~o. E´ uma histo´ria de fidelidade a si pro´prio, uma relac¸a~o de amor com os valores que regem a vida de cada um.

 

A responsabilidade da li´der, antes que possa contribuir coletivamente, e´ perante a si pro´prio. Uma vez que compreenda profundamente a sua esse^ncia e responda em sintonia com seu pro´prio projeto de vida, o li´der enta~o podera´ identificar a identidade e natureza de outros indivi´duos, conduzindo-os para um caminho de valor e que, sobretudo, gere resultados e contribua com o desenvolvimento individual e coletivo. O verdadeiro li´der assume seu protagonismo, consulta sua intuic¸a~o e escolhe os melhores caminhos, provendo soluc¸o~es e transformando o ambiente por onde passa, fazendo florescer o melhor em todos a' sua volta. Soluciona as crises - suas e alheias - atrave´s do conhecimento profundo de si. Esta e´ a mais pura e genui´na responsabilidade: responder a si pro´prio.

 

Utilizando a histo´ria de O Quatrilho e de suas personagens, a mediadora envolvera´ as painelistas em uma fala inspiradora e instigante, trazendo uma discussa~o relevante a' classe empresarial e a's lideranc¸as femininas: o poder das escolhas. O direcionamento da Profa. Fernanda Martins sera´ centrado na responsabilidade de acessarmos nossa intuic¸a~o a favor de nossas vidas e de nossos nego´cios, baseando-nos sempre na identidade, tanto pessoal quanto corporativa.

O espetáculo será apresentado na cidade com patrocínio de Farmácias São João e apoio de IMED.

 

PALESTRA E PAINEL SOBRE LIDERANÇAS FEMININAS

Dia 14 de junho, sexta-feira, às 19h

Auditório IMED (Rua Sen. Pinheiro, 304 – Vila Rodrigues – Passo Fundo)

Atividades gratuitas

Para participar das atividades, é necessário se inscrever previamente em https://eventos.imed.edu.br/eventos/passo-fundo/protagonismo-feminismo:-a-forca-da-autenticidade.

 

ÓPERA O QUATRILHO

Dia 15 de junho, sábado, às 20h

Teatro Notre Dame (Rua Morom, 2255 – Centro – Passo Fundo)

 

 

Foto: Gilberto Perin

 

Galeria de Imagens
comentários sobre esta Notícia