Comunicação

Notícias

VOLTAR
11/07/2019
Maior parte dos resíduos sólidos urbanos são provenientes da Construção Civil

Por: Francine Tiecher

() comentários

Estima-se que somente em Passo Fundo, a geração de resíduos da construção e demolição chega a 144.000 kg por dia

 

O conforto e o bem-estar das pessoas é uma busca constante da sociedade na atualidade. Ao longo do ciclo de evolução tecnológica, a produção de bens de consumo duráveis e de tudo o que usamos acaba inevitavelmente gerando resíduos de todos os tipos. Em contrapartida, existe uma preocupação da redução da extração de matérias-primas para garantir a sustentabilidade das gerações futuras.

A construção civil é um dos ramos industriais que mais consomem recursos naturais para atender as demandas de infraestrutura, moradia e conforto que a sociedade necessita. Portanto, em muitas cidades brasileiras de médio e grande porte, cerca de 50% dos resíduos são originados nas atividades da construção e demolição. Considerando que Passo Fundo possui aproximadamente 180.000 habitantes e que a geração média de uma pessoa é de 0,8 kg/dia, a geração da cidade chega a 144.000 kg por dia. Entretanto, este material apresenta bom potencial de aproveitamento, desde que devidamente separado e transformado em novos insumos.

Atualmente no Brasil, as técnicas construtivas utilizam procedimentos com baixa eficiência construtiva, além de não proporcionar o conforto básico e a durabilidade aos usuários. Enquanto em outros países do mundo a tecnologia é poderosa aliada em construções com elevado nível de conforto e durabilidade, no Brasil, 98% das obras ainda utilizam métodos tradicionais por uma questão cultural e por falta de informação.

Imagem de Jason Goh por Pixabay

 

Os usos de matérias-primas de fontes alternativas podem reduzir a pressão na extração dos recursos naturais, e isso tem sido uma busca incessante na área da engenharia. Por exemplo, as primeiras tentativas de reciclagem de entulho tiveram início após a Segunda Guerra Mundial, nos países da Europa. Em função da escassez financeira e de matérias-primas, alguns países optaram por reutilizar o entulho na reconstrução de suas cidades.

Nesse sentido, a busca por aplicações tecnológicas de resíduos industriais em materiais construtivos tem sido vista como uma forma de diminuir o impacto ambiental gerado na extração de matérias-primas. Cada vez mais estão sendo desenvolvidas estratégias que tem como objetivo a diminuição da geração de resíduos na construção civil, bem como produzir materiais ambientalmente amigáveis, resultando numa considerável economia ao final dos projetos.

“Atualmente muitos resíduos industrias têm sido avaliados como materiais de construção em substituição aos materiais naturais, contudo não em sintonia com as determinações dos órgãos ambientais. Como resultados tem se desenvolvido trabalhos que somente atendem aos fins acadêmicos, sem impacto sobre o reaproveitamento em grande escala dos materiais industriais, como exemplo uma cidade que produzi 1.000m³ de água por hora, produz cerca de 130 toneladas de lodo seco por ano e que atualmente tem destino incerto, e que poderiam ser utilizados para a produção de materiais construtivos” comenta o professor do Programa de Pós-Graduação Stricto Sensu em Engenharia Civil da IMED – PPGEC, Dr. Rodrigo de Almeida Silva.

Dentro da perspectiva de se buscar o a reutilização de materiais, o Mestrado em Engenharia Civil da IMED, por meio da linha de pesquisa “Desenvolvimento de produtos e tecnologias de processos para a construção” tem um grande potencial para realizar pesquisas e buscar soluções voltadas a desenvolver produtos e processos de reutilização de resíduos na fabricação de novos materiais, para ser incorporados na própria construção civil.

Saiba mais, CLICANDO AQUI. As inscrições para o mestrado encerram na próxima segunda-feira (19/07).

Galeria de Imagens
comentários sobre esta Notícia