Comunicação

Notícias

VOLTAR
18/05/2020
Maio Vermelho: reinventar em época de desafios

Por: Francine Tiecher

() comentários

3ª edição da campanha de conscientização sobre Câncer Bucal busca incentivar a prática do autoexame e capacitar profissionais para melhor avaliação

 

Cerca de 10% de todos os tumores malignos do organismo ocorrem na boca. O câncer de boca tem cura, principalmente quando identificado e tratado no início, porém, é necessária uma maior atenção pela população. Infelizmente, a maioria dos casos é diagnosticada tardiamente, sendo que a maior parte se concentram em estágio avançado e evoluem para o óbito.

O retardo de diagnóstico está relacionado, na maioria das vezes, com uma ou mais das seguintes situações: as pessoas não conhecem e/ou não percebem a gravidade dos sintomas de sua doença; o profissional de saúde não está capacitado para o diagnóstico precoce do câncer bucal; ou o sistema local de saúde não está estruturado para atender pacientes com lesões bucais.

Com o intuito de gerar uma conscientização e incentivo para a prática do autoexame, bem como capacitar os profissionais da área, a IMED, por meio de seus Cursos de Odontologia em Passo Fundo e Porto Alegre, está promovendo uma série de atividades que integram a Campanha Maio Vermelho.

Foto: Reprodução Internet - Imagem de Gerd Altmann por Pixabay 

 

A ação ocorre pelo terceiro ano na instituição. “A estratégica proposta para a mudança em relação aos indicadores desta doença é, em primeiro lugar, incentivar a prática do autoexame da boca e informar as pessoas sobre o risco do uso do tabaco e do álcool. Em segundo lugar, propõe-se capacitar os cirurgiões-dentistas para uma melhor avaliação, de forma mais efetiva, na detecção precoce do câncer de boca, reforçando as ações de medidas para a Prevenção Primária e Secundária, sendo determinantes para os profissionais da rede pública e particular. E, a terceira proposta, é produzir uma ação contínua e permanente que gere e reforce a comunicação com a população, envolvendo as instituições e setores em atividades de educação em saúde”, destaca a professora Coordenadora da iniciativa, Alexandra Silveira.

No cronograma de atividades da Campanha estão os webinars “Diagnóstico de lesões da mucosa bucal: treinamento com o uso de aplicativo de interação”, que acontece no dia 20, às 14h, (INSCREVA-SE AQUI) e “Câncer de boca: O que você, profissional da saúde, pode ajudar nesta doença?”, que será realizado no dia 27, às 19h, e contará com a participação dos Cursos de Odontologia, Medicina, Psicologia e Enfermagem da instituição.

A Coordenadora da Odonto Passo Fundo, Joseane Viccari Calza, ressalta a importância das ações propostas, que têm como intenção a redução da incidência do agravo e a detecção precoce da doença, aumentando a sobrevida dos portadores. “Mudanças como estas implicam na economia nacional, a partir da redução de gastos governamentais com os complexos tratamentos, diminuindo o uso de medicamentos de custo altíssimo e a necessidade de leitos hospitalares, cada vez mais escassos”, comenta a docente.

Além disso, estão planejadas diversas atividades de promoção de saúde para a população - vídeos e folders explicativos sobre câncer bucal e ações solidárias com doações a algumas entidades.

 

Conhecimento da população sobre o câncer de boca e o autoexame

Os professores e alunos de graduação em Odontologia da instituição realizaram uma pesquisa para verificar o conhecimento das pessoas acerca do câncer de boca, na população acima de 18 anos que frequenta uma Unidade Básica de Saúde. Os resultados da pesquisa mostraram um grande desconhecimento da população quanto à existência do câncer bucal e do seu diagnóstico, pois a maioria dos usuários entrevistados não sabe o que é câncer de boca e quais são os locais da boca que podem ser acometidos. Muitas pessoas acreditam ser uma doença transmissível, e outros têm ainda a percepção de que isso sequer é uma doença.

Outro dado importante levantado foi que a maioria dos usuários não sabe realizar o autoexame de boca. “Assim como os resultados encontrados aqui no município, outros estudos indicam que a grande maioria dos indivíduos não tem conhecimento sobre o câncer bucal e quais os fatores de risco para o desenvolvimento, mesmo estando expostos a eles. Muito embora, existam descrições de que as malignidades da boca estariam ocorrendo em populações mais jovens e de que poderiam estar associadas a outros fatores de risco, a realidade epidemiológica aponta em sua maioria, indivíduos acima de 40 anos de idade, do sexo masculino, de pele clara e de baixo extrato socioeconômico e educacional”, comenta a professora e pesquisadora do PPGO, Dra. Lilian Rigo, que coordenou a pesquisa e integra a equipe da Campanha Maio Vermelho.

Mas o que é o Autoexame? O autoexame da boca consiste em uma técnica simples, onde o próprio indivíduo é capaz de realizar o exame de sua boca e a finalidade de identificar lesões precursoras do câncer. Exames clínicos visuais e bem feitos, a partir de um programa de rastreamento populacional, reduz a taxa de mortalidade por câncer bucal, segundo estudos científicos. Contudo, a realização do autoexame deve ser feita periodicamente e não somente quando há campanhas de prevenção. Dessa forma, os profissionais da saúde devem receber orientações e capacitações contínuas no intuito de incentivar e orientar a população na realização do autoexame bucal.

Galeria de Imagens
comentários sobre esta Notícia