Comunicação

Notícias

VOLTAR
20/05/2020
Maio Vermelho: capacitação interativa para diagnóstico do câncer de boca

Por: Karen Vidaleti

() comentários

Dados de incidência, tipos de lesões e tratamento da doença foram abordados em evento online

O câncer de boca é o quinto tipo com maior incidência em homens no Brasil. Com o álcool e o tabaco como fatores de risco, ele apresenta uma taxa de mortalidade de aproximadamente 50% em todos os seus estágios. Segundo estimativa do Instituto Nacional de Câncer (INCA), para 2020, devem ser diagnosticados 15.190 casos novos. A doença é foco da campanha de conscientização Maio Vermelho. Neste ano, por conta da pandemia, não serão realizados os exames clínicos da população, com a busca ativa por detecção de novos casos. No entanto, a campanha direciona suas ações para o treinamento de profissionais e sensibilização de pacientes para o autoexame. 

Uma das capacitações que integram a programação do Maio Vermelho ocorreu nesta tarde. Com mediação dos professores da Odontologia IMED Renato Sawasaki e Alexandra Silveira, o treinamento ‘Diagnóstico de lesões da mucosa bucal: Treinamento com uso de aplicativo de interação’ teve como convidados o cirurgião de cabeça e pescoço no Hospital Santa Rita da Santa Casa de Misericórdia de Porto Alegre, Virgílio Gonzales Zanella, e o professor e teleconsultor do TelessaúdeRS-UFRGS Vinícius Carrad. 

Virgílio compartilhou informações sobre o diagnóstico do câncer de boca, que ocorre através de biópsia, tipos de lesões e tratamentos. Ele ressaltou que esta é uma doença agressiva e, consequentemente, seu tratamento também é agressivo. A primeira escolha se dá pelo tratamento cirúrgico, sendo realizada também radioterapia e quimioterapia de acordo com as características do paciente. Apresentando fotos de casos, ele destacou a importância da reconstrução, uma vez que tem um grande impacto na reabilitação do paciente.

“É preciso deixar claro que o câncer de boca é uma neoplasia frequente no nosso meio e com grande impacto pessoal e social para o sistema público de saúde. O tratamento é multidisciplinar. A gente não faz essa cirurgia se não tem enfermagem, dentista, se não tem fono que cuide deste paciente. Ele precisa de assistência odontológica e fonoaudiológica para o resto da vida. Também é de grande importância o diagnóstico precoce e encaminhamento adequado para que os nossos resultados se amplifiquem aqui”, considerou.

Com o apoio do aplicativo Kahoot, Vinícius propôs ao público testar seus conhecimentos em diagnóstico de lesões bucais. Em seguida, esclareceu sobre as lesões apresentadas durante o teste. “A avaliação do câncer de boca deve fazer parte da rotina do cirurgião-dentista. Esse processo diagnóstico começa com o exame clínico, com a anamnese e com o exame físico, extra e intrabucal, que pode ser seguido da solicitação de exames complementares. Com isso, a gente vai conseguir chegar a um diagnóstico definitivo, estabelecer tratamento e prognóstico para o caso”, afirmou.

Durante o webinar, ainda foi realizada a arrecadação de fundos para o Instituto do Câncer Infantil (ICI), em Porto Alegre, e o Centro Assistencial à Criança com Câncer (CACC), em Passo Fundo. Para contribuir, o público precisava utilizar o celular para ler os QR codes disponibilizados na tela dos palestrantes, que direcionam para um canal de doação.

Galeria de Imagens
comentários sobre esta Notícia