Comunicação

Notícias

VOLTAR
02/07/2020
Alunos da Enfermagem acompanham gestantes por meio de telemonitoramento

Por: Eduarda Perin

() comentários

Estrutura da sala de matriciamento é utilizada para a atividade nas aulas de Saúde Coletiva

O contexto de isolamento social, imposto pela pandemia de Covid-19, traz um desafio para as aulas práticas de Saúde Coletiva do curso de Enfermagem da IMED: como propiciar aos acadêmicos a prática do atendimento à população?

Com o uso dos recursos tecnológicos da sala de matriciamento, que acompanha pacientes com sintomas gripais por telemonitoramento, os acadêmicos do segundo semestre da Enfermagem contatam mais de cem gestantes e puérperas atendidas pelo Sistema Único de Saúde (SUS) de Passo Fundo.

O objetivo é educar e subsidiar as angustias e incertezas sobre amamentação e doenças das mamas nesse período através da escuta qualificada. “Além da educação em saúde, quando os alunos percebem necessidade de acompanhamento continuado, orientam a procurar da rede de apoio - Unidade de Saúde mais próxima, Centro de Referência Saúde da Mulher e Hospital onde fez o parto”, explica a professora do curso de Enfermagem, Cássia Orsolin Comin.

O acadêmico de Enfermagem, William Garcia da Rosa, destaca que utilizar o método tecnológico do teleatendiento é uma experiência inovadora, pois permite colocar em prática os conhecimentos teóricos adquiridos em aula e, assim, acompanhar e auxiliar gestantes e mulheres puérperas por meio da ligação. “A ação é inovadora especialmente nesse momento de pandemia, que acaba impossibilitando os pacientes a procurarem presencialmente a rede de saúde. Como estudante de Enfermagem, a ação é um reconhecimento da nossa profissão e representa mais autonomia de estar atendendo nossos pacientes de forma prática, sem deslocamento, promovendo saúde e integração”, conta.

Para a docente Cássia, a escuta qualificada nesse período de vida da mulher é fundamental. “A nova mãe passa por momentos de adaptações ao novo corpo, novo filho e novo contexto. Essas adaptações, muitas vezes vem acompanhadas da dor do pós cesariana, alterações físicas e emocionais impostas pelas condições fisiológicas da gestação e parto. É importante dar espac¸o para a gestante/puérpera falar. Para isso,  é necessário dedicar tempo para ouvir, prestando atenc¸a~o no que a paciente esta´ dizendo e no significado de suas falas, melhorando o desfecho frente a amamentação e fazendo com que o binômio Mãe e Bebê sejam mais felizes”, finaliza.

 

Galeria de Imagens
comentários sobre esta Notícia